Em meio à crise, reestruturações e onda de assaltos, rede de agências encolhe e mais de 100 cidades deixaram de ter instalações bancárias nos últimos 2 anos.

 

A rede de agências bancárias está encolhendo no Brasil e deixando cidades do interior sem atendimento presencial. Com foco na expansão de canais digitais, os bancos vêm fechando agências em diversos municípios. Nos últimos 2 anos, mais de 100 cidades deixaram de ter qualquer dependência bancária, segundo dados do Banco Central. 

Dos 5.588 mil municípios brasileiros, 352 não tinham canais de acesso direto aos bancos no final de 2016 – maior número desde 2010. O volume vem crescendo desde 2013. Em 2014, eram 241 cidades sem estruturas bancárias; em 2015, eram 300. Veja gráfico abaixo:





Em geral, são cidades bem pequenas, com menos de 5 mil habitantes e pouca circulação de dinheiro. Nestes municípios, os únicos canais de acesso aos serviços financeiros são as lotéricas, os Correios, cooperativas de crédito ou estabelecimentos comerciais que atuam como correspondentes bancários. Porém, há limite para saques e pagamentos de boletos. Isolados, os moradores são obrigados a viajar quilômetros até cidades vizinhas para sacar salários e aposentadorias ou fazer depósitos.

Corte de custo e falta de segurança

Entre os principais motivos para o movimento de encolhimento da presença bancária no país está a reestruturação dos bancos, que entraram na onda de corte de custos e perderam o interesse em manter agências pouco rentáveis. Em vez de abrir uma agência em cada esquina, agora os bancos focam seu crescimento na expansão dos canais digitais.
Mas o fechamento de agências também foi motivado pela ocorrência de assaltos violentos que se propagou também pelo interior do país. Levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostra que foram ao menos 393 assaltos e tentativas de assaltos no Brasil em 2015 e 385 em 2014.
Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), se forem somados todos os tipos de ocorrências, incluindo também os arrombamentos, o número de ataques por ano passou de 3 mil.

Viagem para sacar dinheiro

Entre os estados com o maior número de cidades sem bancos ou que deixaram de ter dependência bancária nos últimos anos destacam-se Piauí, Paraíba e Rio Grande do Norte. De acordo com o Banco Central, 18 dos 27 estados da federação possuem cidades sem qualquer tipo de dependência bancária. 

 
Em São Pedro do Paraná, agência foi fechada por falta de segurança. Em agosto de 2016, unidade foi alvo de criminosos e ficou completamente destruída após explosão de caixa eletrônico (Foto: Divulgação/PM)

Em São Pedro do Paraná, agência foi fechada por falta de segurança. Em agosto de 2016, unidade foi alvo de criminosos e ficou completamente destruída após explosão de caixa eletrônico  (Foto: Divulgação/PM)
 
Uma delas é São Pedro do Paraná (PR), de 2.491 habitantes, que está sem banco desde outubro de 2016. Depois de uma onda de arrombamentos, a única agência que atendia o município nunca mais reabriu e o pagamento dos servidores públicos foi transferido para a cidade vizinha, localizada a 20 km de distância. 
 
Já a pequena Jardim Olinda (PR), com uma população de 1.409 pessoas, está sem dependência bancária há cerca de um ano e os moradores precisam percorrer até 75 km para pagar contas e realizar saques. Antes havia um posto de atendimento, mas o local foi fechado por falta de segurança e baixo movimento. E conforme a prefeitura, nenhum banco se interessou em reabrir uma instalação no município. 


Problema para prefeituras

O presidente da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), Paulo Ziulkoski, explica que a falta de dependências bancárias complica também as finanças das prefeituras, que passam a ter maiores dificuldades no recebimento de verbas federais, na arrecadação de tributos e no pagamento dos servidores. 

“Tem prefeito da Região Norte que precisa pegar barco para buscar dinheiro em outra cidade para fazer os pagamentos”, afirma. "Isso vem aumentando e deve aumentar mais porque estão racionalizando custos até com segurança". 

Em Castelo do Piauí, no norte do estado do Piauí, a única agência bancária da cidade está fechada desde dezembro, depois que criminosos explodiram, pela quarta vez, os caixas eletrônicos. Com o banco fechado e sem previsão de reabertura, a lotérica e a agência dos Correios recebem filas já durante a madrugada. Depois que recebem a senha, muitas pessoas esperam até 4 dias para sacar o benefício. 

O G1 visitou a cidade e verificou que o fechamento do banco afetou o comércio local e a rotina dos moradores. Idosos precisam viajar quase 100km para sacar aposentadoria em outra cidade. 

Presença física mais tímida

Segundo os dados do BC, o número total de agências bancárias no Brasil caiu de 22.826 em 2015 para 22.547 no final do ano passado – 279 unidades a menos. Trata-se do menor número desde 2012. Em 2014, eram 23.126. Veja quadro mais abaixo
 
Na rede de postos de atendimento bancário (PAB) e caixas eletrônicos, a queda foi ainda maior. O total de PABs – geralmente localizados dentro de empresa ou órgão público, com oferta de serviços específicos – e PAEs (postos de atendimento eletrônico) encolheu para 43,7 mil em 2016, ante 45,5 mil em 2015. 

Segundo a Febraban, os "ajustes" no tamanho da rede estão relacionados a 3 principais fatores: conjuntura econômica, que culminou no fechamento de uma série de estabelecimentos; política de eficiência operacional com a revisão de sobreposições em pontos de atendimento; e a diversificação dos canais de atendimento e crescimento dos canais digitais. 

Apesar de contabilizar o aumento das cidades sem dependências bancários, o Banco Central afirma que trabalha com a projeção de que todos os municípios do país têm atendimento bancário ou financeiro. 

"Além dos bancos, as cooperativas de crédito, as Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento e as Sociedades de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte disponibilizam a seus usuários meios de acesso a serviços financeiros, promovendo a inclusão financeira da população", diz o BC. 

A lista com a relação de cidades que não tinham nenhum tipo de dependência bancária em 2016 assim como os serviços financeiros disponíveis em cada cidade só deve ser divulgada pelo BC no 2º semestre. 


Nº de correspondentes bancários também cai

Segundo o Banco Central, os correspondentes bancários – estabelecimentos como casas lotéricas, Correios, padarias e supermercados que oferecem alguns serviços em nome da instituição parceira – representam hoje o canal de acesso bancário com a maior cobertura nacional. 

"A prestação de serviços financeiros por meio de correspondentes (...) é considerada pelo BC como uma solução para atingir populações de regiões onde as instituições financeiras consideram que não há escala para a abertura de dependências", afirma o BC. 

Os números do BC mostram, entretanto, que também diminuiu no país o número de correspondentes bancários. No final de 2016 eram 276,8 mil pontos, ante 293,8 mil em 2015. 

Nos Correios, o número de agências com o Banco Postal (serviço de correspondente bancário em parceria com o Banco do Brasil), caiu de 6.158 em 2012 para 6.118. O presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), explica que o Banco Postal é a única opção de acesso bancário para cerca de 800 prefeituras, mas admite que tem sido cada vez mais difícil manter abertas agências deficitárias. 

"Não gostaria de abrir mão da presença em praticamente 100% do território nacional. Mas, atividade postal está em franco declínio. Na época em que foi concebida a atual regra da universalização dos serviços postais, o monopólio dava aos Correios a condição de estar subsidiando as agências mais remotas através de uma atividade intensa nos grandes centros urbanos. Essa conta já não fecha mais”, afirma o executivo. 

Ele explica, porém, que a maior parte da suspensão do atendimento bancário em agências dos Correios se deve a assaltos e arrombamentos. “Tem muita agência que é deficitária. Na hora que acontece um incidente desse tipo, é difícil justificar um gasto para manter o serviço que era usado anteriormente", afirma Campos. 


Em Castelo do Piauí, agência do BB está com serviços suispensos desde dezembro (Foto: Gilcilene Araújo/G1)








G1
Axact

TERRA NOVA FM 88.7 - UM NOVO PROJETO EM RÁDIO

Um Orgão da Fundação Educativa e Cultural Manoel Joaquim dos Santos(FUNDEC), Fundada em 22 de Dezembro de 2014,tem como objetivo principal informar e propiciar ao ouvinte a melhor informação junto a uma educação de qualidade.

Postar um comentário:

0 comentários: